Regina Souza Campos

 

Vivemos um tempo marcado pela busca da eterna juventude,e, por ela, pagamos qualquer preço.
Acreditamos  que esconder nossos números nos farão pessoas mais felizes e realizadas.
Esses numeros vão desde a data de nosso nascimento até nosso peso e os centímetros de nossa cintura.
Às vezes de forma até mesmo irresponsável, nos entregamos nas mãos dos cirurgiões, na esperança que uma transformacão opere um milagre.
Com isso e mais aquilo, nos distraímos tanto,que nos esquecemos do maior e mais importante de todos os quesitos: nossa postura.
Vale lembrar que postura é saúde, que uma estrutura organizada, modifica a fisiologia e o emocional.
Você já parou prá pensar? Ou melhor, já parou prá olhar?
E ainda mais,olhar a si mesmo? Sempre é tempo!
Saia pra sua caminhada diária, seja ela onde for, mas fique atento aos que vão à sua frente.
Comece a notar a posição da cabeça, tente focar os ombros e ainda o movimento das pernas e braços.
Assustou-se?
Pois então agora tente perceber isso tudo em você.
Quantos anos você daria para aquele que observa?
E quantos daria a si mesmo?
Começou a perceber que a idade não está naqueles numeros que podemos esconder,nem em lugares que algum botox possa preencher?
Acima de tudo ela se mostra e se escancara numa postura caída, onde o peito se fecha, se esconde e você esconde da vida.
A vida, a “vivacidade” têm de aparecer na postura, na fluidez do corpo e do movimento…
Ela tem sw ser encarada de frente, com a cabeça erguida e o peito aberto.
Essa atitude por si só descarta a escravidão da eterna juventude e nos oferece em troca a consciência de nossas capacidades e possibilidades, que são muitas.
Isso nos concede a feliz maturidade, que tudo pode…

Regina Souza Campos é rolfista e proprietária da Flex – Pilates & Rolfing, de Campinas.

Postura corporal e juventude

Navegue